O mercado da terceira idade

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geo­grafia e Estatística (IBGE) divulgados na última sexta-feira, 1º de dezembro, a expectativa de vida dos brasileiros é hoje de 75,8 anos, um acréscimo de três meses e onze dias em relação a 2015. Em 76 anos, de 1940 a 2016, a expectativa au­mentou em mais de 30 anos. Ainda de acordo com o IBGE, no último ano, o Brasil tinha 4,5 milhões de idosos empregados, configurando uma tendência geral de contratação e manutenção destes funcionários no quadro das empresas.

Indo na contramão do precon­ceito que por muitos anos assolou a categoria e os excluiu do merca­do nos últimos anos, a contratação formal de idosos no mercado de trabalho é crescente. Para a coor­denadora de Recursos Humanos Sheila Linck, a experiência pro­fissional e pessoal dos colabora­dores idosos tem sido valorizada. “São colaboradores que agregam à empresa e transmitirem confian­ça, além de estimular outros mem­bros da equipe e trocam conheci­mentos com os mais jovens”, avalia.

Para a sócia fundadora da Asso­ciação dos Idosos do Brasil (AIB) em Goiânia, Marli Fernandes de Assis, 66 anos, são muitos os fato­res que levam os idosos a perma­necerem no mercado de trabalho. Ela menciona que desde a neces­sidade de complementação da re­ceita familiar à ideia de se senti­rem úteis perante a sociedade. “O idoso quando fica em casa, à toa, logo começa a ver muitos defeitos e acaba que tanto a família quan­to ele começam a reclamar da si­tuação”, observa.

A assistência aos idosos é garan­tida pela Organização das Nações Unidas (ONU), bem como sua inte­gração e participação social, inclusi­ve no que se refere à oportunidade de trabalho. Marli Assis explica que o próprio Estatuto do Idoso prevê o trabalho para a terceira idade. Com o intuito de proporcionar engaja­mento na associação para esse pú­blico, ela conta que foi realizada na instituição uma pesquisa pela Uni­versidade Federal de Goiás (UFG) com os idosos da AIB.

O estudo constatou que a maio­ria dos idosos que passou pela pes­quisa na associação deseja conti­nuar trabalhando, desde que não tenha que trabalhar formalmente tendo que se submeter a horário de entrada e saída todos os dias. Para proporcionar essa interação na as­sociação, existe o trabalho voluntá­rio, em que os idosos ensinam uns aos outros voluntariamente.

“Eles dão aulas de crochê, bordado, pintura, tricô, pano de prato, cada um faz de um jei­to. São trabalhos manuais que lhes geram renda ao venderem os produtos. Com esse dinhei­ro, eles aumentam a renda men­sal podendo com isso adquirir bens ou até mesmo viajar”, es­clarece Marli.

Especialistas pontuam que o re­ceio de muitas empresas na con­tratação de idosos está relaciona­do ao fato de que este setor social não possui vigor suficiente para exercer funções. Entretanto, o cui­dado básico necessário durante o turno de trabalho é o mesmo que deve haver com membros de qual­quer faixa etária.

Além disso, a função cotidiana é importante para o envelhecimento saudável e ativo. “É essencial res­saltar que a inclusão dos idosos no mercado de trabalho é extrema­mente sadia, pois melhora sua au­toestima e sua qualidade de vida. Existe a satisfação de sentir-se útil, e este ponto, sem dúvidas, contribui também para o contratante”

Osório

Sobre o autor

Cauby Fernandes
Cauby Fernandes

O blog @lingua tem a assinatura de Cauby Fernandes,Radialista/Comunicador Social com DRT-PE 3685. Cauby Fernandes também é Teólogo graduado em nível superior pela Faculdade Cenecista de Osório (FACOS). O Blog @ Língua tem parceiros importantes que fazem do blog uma ferramenta de informação precisa para todas as idades e tipos de pessoas.

Deixe uma resposta