Arquivo - 6 de Dezembro de 2017

1
Fotos de policiais sorridentes ao lado de Rogério 157 viralizam nas redes
2
O mercado da terceira idade
3
Técnico Reinaldo Rueda pode deixar o Flamengo em 2018
4
Tiririca renuncia ao cargo de deputado e diz: ‘Estou envergonhado’
5
Em votação relâmpago, comissão aprova PEC das eleições diretas
6
Governo do Estado é multado em mais de R$ 28 milhões por crime ambiental
7
Petrolina terá mudança no transito a partir desta quarta-feira 6
8
Temer: reforma protegerá pobres e cortará regalias do servidor público
9
Petrolina não vai queimar fogos no fim de ano. Reveillon cancelado
10
Denunciado, Fernando Bezerra aguarda desempate no STF

Fotos de policiais sorridentes ao lado de Rogério 157 viralizam nas redes

Algumas imagens de policiais sorridentes ao lado do traficante Rogério 157, pouco depois da sua prisão, estão viralizando nas redes sociais nesta quarta-feira (06/12). Em uma das fotos, o bandido aparece sorrindo ao lado de uma policial.

As fotos estão gerando polêmica nas redes sociais. “Difícil acreditar que isso seja verdade. Os policiais perderam a noção”, escreveu um homem. “Bandido agora virou celebridade?”, questionou outro. Também tiveram elogios ao trabalho da polícia. “Parabéns, comemorem mesmo. O preso é o resultado, o troféu”, explanou.

O traficante Rogério Avelino da Silva, apontado como o chefe do tráfico Rogério 157, de drogas na favela da Rocinha, foi preso pela Polícia Civil nesta manhã. Ele era o bandido mais procurados do Rio de Janeiro, com recompensa estipulada em R$ 50 mil.

 

(Fotos: Divulgação Polícia Civil)

O mercado da terceira idade

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geo­grafia e Estatística (IBGE) divulgados na última sexta-feira, 1º de dezembro, a expectativa de vida dos brasileiros é hoje de 75,8 anos, um acréscimo de três meses e onze dias em relação a 2015. Em 76 anos, de 1940 a 2016, a expectativa au­mentou em mais de 30 anos. Ainda de acordo com o IBGE, no último ano, o Brasil tinha 4,5 milhões de idosos empregados, configurando uma tendência geral de contratação e manutenção destes funcionários no quadro das empresas.

Indo na contramão do precon­ceito que por muitos anos assolou a categoria e os excluiu do merca­do nos últimos anos, a contratação formal de idosos no mercado de trabalho é crescente. Para a coor­denadora de Recursos Humanos Sheila Linck, a experiência pro­fissional e pessoal dos colabora­dores idosos tem sido valorizada. “São colaboradores que agregam à empresa e transmitirem confian­ça, além de estimular outros mem­bros da equipe e trocam conheci­mentos com os mais jovens”, avalia.

Para a sócia fundadora da Asso­ciação dos Idosos do Brasil (AIB) em Goiânia, Marli Fernandes de Assis, 66 anos, são muitos os fato­res que levam os idosos a perma­necerem no mercado de trabalho. Ela menciona que desde a neces­sidade de complementação da re­ceita familiar à ideia de se senti­rem úteis perante a sociedade. “O idoso quando fica em casa, à toa, logo começa a ver muitos defeitos e acaba que tanto a família quan­to ele começam a reclamar da si­tuação”, observa.

A assistência aos idosos é garan­tida pela Organização das Nações Unidas (ONU), bem como sua inte­gração e participação social, inclusi­ve no que se refere à oportunidade de trabalho. Marli Assis explica que o próprio Estatuto do Idoso prevê o trabalho para a terceira idade. Com o intuito de proporcionar engaja­mento na associação para esse pú­blico, ela conta que foi realizada na instituição uma pesquisa pela Uni­versidade Federal de Goiás (UFG) com os idosos da AIB.

O estudo constatou que a maio­ria dos idosos que passou pela pes­quisa na associação deseja conti­nuar trabalhando, desde que não tenha que trabalhar formalmente tendo que se submeter a horário de entrada e saída todos os dias. Para proporcionar essa interação na as­sociação, existe o trabalho voluntá­rio, em que os idosos ensinam uns aos outros voluntariamente.

“Eles dão aulas de crochê, bordado, pintura, tricô, pano de prato, cada um faz de um jei­to. São trabalhos manuais que lhes geram renda ao venderem os produtos. Com esse dinhei­ro, eles aumentam a renda men­sal podendo com isso adquirir bens ou até mesmo viajar”, es­clarece Marli.

Especialistas pontuam que o re­ceio de muitas empresas na con­tratação de idosos está relaciona­do ao fato de que este setor social não possui vigor suficiente para exercer funções. Entretanto, o cui­dado básico necessário durante o turno de trabalho é o mesmo que deve haver com membros de qual­quer faixa etária.

Além disso, a função cotidiana é importante para o envelhecimento saudável e ativo. “É essencial res­saltar que a inclusão dos idosos no mercado de trabalho é extrema­mente sadia, pois melhora sua au­toestima e sua qualidade de vida. Existe a satisfação de sentir-se útil, e este ponto, sem dúvidas, contribui também para o contratante”

Osório

Técnico Reinaldo Rueda pode deixar o Flamengo em 2018

Técnico Reinaldo Rueda pode deixar o Flamengo em 2018

Flamengo pode perder o treinador colombiano Reinaldo Rueda para a temporada 2018. Segundo o jornal “Publisport”, da Colômbia, a mãe do técnico enfrenta um problema de saúde e isso motiva o retorno do comandante à sua terra natal.

Além disso, o Deportivo Cali está muito interessado em contratar Rueda, que tem contrato com o Flamengo até no fim do ano que vem. Vale ressaltar que o técnico nasceu em Cali e já dirigiu o clube local por duas temporadas, em 1997 e 1998.

 

Ruy Wanderley

Tiririca renuncia ao cargo de deputado e diz: ‘Estou envergonhado’

Tiririca renuncia ao cargo de deputado e diz: 'Estou envergonhado'

Parlamentar mais votado do Brasil nas eleições de 2010, com 1,3 milhão de votos, o deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP), anunciou nesta quarta-feira (6) que está renunciando ao mandato. Segundo o jornal Metrópoles, o cantor e palhaço diz que sai “totalmente envergonhado”.

“Não são todos, mas eu queria que vocês tivessem um olhar pelo nosso país, a nossa saúde”, disse, segundo a publicação.

Tiririca teve ótimo desempenho também nas eleições de 2014, com 1,01 milhão de votos.

Em votação relâmpago, comissão aprova PEC das eleições diretas

Em votação relâmpago, comissão aprova PEC das eleições diretas

Em poucos segundos, sem governistas em plenário, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara aprovou nesta quarta-feira (6) parecer favorável à PEC (proposta de emenda à Constituição) que estabelece a realização de eleições diretas em caso de vacância do cargo de presidente em até seis meses do fim do mandato.

A votação foi simbólica, com apenas sete deputados no plenário e aconteceu uma hora e meia depois do horário marcado para o início da sessão (9h). O texto do deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) é uma proposta de mudança à Constituição, que atualmente diz que, em caso de queda do presidente tendo decorrido pelo menos dois anos do mandato, o próximo ocupante deve ser escolhido por eleições indiretas, ou seja, por escolha do Parlamento.

O governo vinha protelando a votação desde maio deste ano. Agora, resolveu adotar a estratégia de ignorar a proposta para que ela saia de foco. A PEC 227/2016 havia sido apresentada em junho do ano passado. A proposta foi barrada pelo então presidente da comissão, Osmar Serraglio (PMDB-PR), alçado depois a ministro da Justiça. O tema havia ganhado destaque em maio deste ano depois que cresceram as chances de queda do presidente Michel Temer por causa das denúncias que surgiram contra ele.Temer foi alvo de duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República), que foram arquivadas pela Câmara.

TRAMITAÇÃO

Aprovada a admissibilidade da PEC na CCJ, o texto segue para uma comissão especial, que precisa ser criada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Se o parecer do colegiado for aprovado, vai para plenário, onde precisa ser aprovado por um mínimo de 308 votos em dois turnos. Depois disso, segue para o Senado, onde tem que ser aprovado por 49 votos também em dois turnos.

Com informações da Folhapress.

Governo do Estado é multado em mais de R$ 28 milhões por crime ambiental

A Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes, em Petrolina (PE), foi autuada por lançar esgoto sem nenhum tipo de tratamento nas águas do Rio São Francisco. A multa aplicada soma a quantia de R$ 28.480.000,00, referente aos danos ambientais causados em 15 anos de funcionamento da instituição. O presídio tem 10 dias para recorrer ou pagar a multa, contando a partir desta terça-feira (04).

Os fiscais da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA) encontraram no local cinco vezes mais baronesas do que havia na Orla I, antes de iniciado o projeto de revitalização Orla Nossa. A instituição possui fossas sépticas que recebem todos os dejetos da penitenciária e em seguida, despejam no rio, sem o tratamento adequado.

Segundo o diretor-presidente da AMMA, Rafael Oliveira, a agência já havia solicitado aos responsáveis, a documentação de funcionamento. “Antes de aplicarmos a multa, a AMMA , notificou a Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes, em 30 de maio deste ano, para que  apresentasse esclarecimento sobre os efluentes lançados, bem como as licenças de operação e instalação, porém não obtivemos resposta. Voltamos ao local e foi percebido que a situação permaneceu a mesma, não restando outra saída que não a aplicação da penalidade estabelecida por lei”, esclarece.

Petrolina terá mudança no transito a partir desta quarta-feira 6

Resultado de imagem para transito de Petrolina

A partir desta quarta-feira (6), A AMMPLA fará alterações no trânsito de Petrolina . Um semáforo instalado na orla, na altura da Rua Araripina passará a funcionar . Além disso, a Rua  terá sentido único, na direção da Avenida Cardoso de Sá para a a Rua Dr. Júlio de Melo.

Para aqueles que não sabem, essa Rua, é aquela que fica em frente ao posto Lorena, e vai direto para a Orla.

De acordo com a prefeitura, as mudanças tem o objetivo de melhorar o fluxo de veículos e proporcionar maior segurança para motoristas e pedestres. Uma equipe da Autarquia Municipal de Mobilidade (Ammpla)  trabalhará na orientação da população sobre as mudanças.

Temer: reforma protegerá pobres e cortará regalias do servidor público

Temer: reforma protegerá pobres e cortará regalias do servidor público

presidente Michel Temer defendeu a necessidade da aprovação da reforma da Previdência, durante o Prêmio Brasileiros do Ano 2017, da Revista Istoé.

Temer disse que, em seu governo, a inflação e os juros caíram e algumas reformas foram aprovadas, mas destacou a importância da reforma da Previdência, no momento em que não teria os votos necessários para sua aprovação.

“A reforma da Previdência, na verdade, visa precisamente a combater os privilégios. Porque, na verdade, o que a reforma da Previdência faz é proteger os pobres que, na verdade, pagam pelos que ganham muito no serviço público. A ideia da igualdade é a força motriz da reforma da Previdência”, defendeu o presidente.

Segundo o portal G1, Temer também disse em seu discurso haver informações equivocadas sobre a mudança no sistema previdenciário, usando como exemplo a exigência dos 65 anos para se aposentar. “Valeria a pena, talvez, dizer que, na verdade, hoje se aposenta o homem com 55 anos e a mulher, com 53. E que ao longo de 20 anos é que se vai atingir a idade limite de 60 anos”, afirmou.

Logo em seguida, no entanto, Temer deixou de detalhar o assunto e disse que “não vale a pena tratar desses temas”, para voltar a falar da premiação.

Petrolina não vai queimar fogos no fim de ano. Reveillon cancelado

Resultado de imagem para sem queima de fogos

Em 2017, não vai ter queima de fogos. A Prefeitura de Petrolina dispensou a tradicional festa de réveillon este ano. Em nota, o prefeito Miguel Coelho informou que, diante da crise financeira, vai priorizar outras despesas e pagar o 13º salário dos servidores, além de negociar débitos da gestão passada.

A gestão está priorizando despesas como pagamento de 13º salário dos servidores, conclusão de obras e serviços, além da negociação de débitos deixados pela gestão anterior, que somam quase R$ 200 milhões“, frisou o gestor, em nota.

Sobre a realização das festas oficiais da cidade, no ano que vem, Miguel assegurou que estão garantidas. “A ideia também é concentrar esforços nas festas oficiais da cidade, como Carnaval, São João e aniversário do município“, finalizou.

 

Denunciado, Fernando Bezerra aguarda desempate no STF

 

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu aguardar o retorno do ministro Ricardo Lewandowski, licenciado por motivo de saúde, para a conclusão do julgamento do Inquérito (INQ) 4005, no qual o Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia contra o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE), Aldo Guedes Álvaro e João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho. Na sessão desta terça-feira (5), houve empate quanto ao recebimento da denúncia.

Fernando Bezerra e Aldo Álvaro foram denunciados pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, e Lyra apenas pelo segundo delito. Segundo o MPF, os dois primeiros teriam intermediado o repasse de vantagens indevidas, da ordem de R$ 20 milhões, recebidas das empreiteiras Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e OAS para a campanha do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). As vantagens teriam como contrapartida a atuação de Bezerra, então secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, para favorecimento das empreiteiras, que atuavam em consórcio na construção da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Ipojuca (PE).

Relator

Para o relator do Inquérito 4005, ministro Edson Fachin, a denúncia traz elementos suficientes para seu acolhimento nessa etapa processual, no sentido da possível existência de um “grupo pernambucano” responsável pela intermediação, recebimento e repasse dos recursos indevidos, integrados pelos acusados. “O foco dos fatos aqui é o que aponta para a dinâmica da política da época, segundo a qual haveria favorecimento dos envolvidos, valendo-se dos cargos e de alianças e celebrando pactos escusos para lograr vantagens ilícitas”, assinalou.

Fachin lembrou que Fernando Bezerra, com a primeira eleição de Eduardo Campos ao governo, foi secretário de Desenvolvimento Econômico e, nessa condição, presidente do Complexo de Suape, estreitamente relacionado à refinaria, especialmente em relação às obras de infraestrutura e incentivos tributários. “Na construção da refinaria, surgiram indícios de repasse de verbas escusas pelos empresários, de forma disfarçada, mediante estratégias de ocultação da vantagem indevida”, observou.

Segundo o relator, a denúncia vai além das informações fornecidas por Paulo Roberto Costa, então diretor de abastecimento da Petrobras, e do doleiro Alberto Yousseff em acordos de colaboração. “Os elementos da colaboração são corroborados por outros, como registros de acesso do senador na sede da Petrobras no Rio de Janeiro para encontro com Paulo Roberto Costa e anotações da agenda oficial do colaborador alusivas a compromissos com autoridades pernambucanas em torno da Refinaria Abreu e Lima”, apontou.

O ministro destacou também que o senador, à época exercendo o cargo de secretário de estado, teria tido condições de atuar com parcialidade em prol das empresas que aderissem ao esquema, e lembrou que boa parte dos expedientes relativos às obras da refinaria entre 2006 e 2014 foi assinada por Campos, por Bezerra ou pelos dois, inclusive por Paulo Roberto Costa. “Tais elementos caracterizam ao menos indiciariamente, para esta etapa, atos de contraprestação”, afirmou.

Com relação à imputação de lavagem de dinheiro, Fachin mencionou que as doações das empreiteiras à campanha de Campos em 2010 foram significativamente superiores aos gastos dos demais candidatos, o que evidencia possível pagamento de vantagem indevida. Boa parte desses recursos provinham de contratos fictícios com empresas de construção e terraplenagem.

Para o relator, a denúncia preenche os requisitos do artigo 41 do Código de Processo Penal, que exige que ela contenha a exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo, a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas. O ministro, no entanto, excluiu da denúncia a causa de aumento de pena no crime corrupção passiva, nos termos do artigo 327, parágrafo 2º, do Código Penal (prevê aumento de um terço quando os autores dos crimes forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou assessoramento de órgão da administração pública), pois, segundo explicou, é incabível sua aplicação pelo mero exercício do mandato popular. Também considerou inaplicável ao caso a majoração da pena no delito de lavagem de dinheiro. Seu voto foi seguido pelo ministro Celso de Mello.

Divergência

Para o ministro Gilmar Mendes, que divergiu do relator, a denúncia não cumpriu os requisitos legais para seu recebimento. “Fora a palavra dos colaboradores, não há indícios contra o senador acusado”, afirmou. Entre outros pontos, ele destacou que Bezerra assumiu a secretaria estadual em janeiro de 2007, e os incentivos fiscais que beneficiariam as empreiteiras estão previstos em lei estadual de 2006. Os registros de acesso à sede da Petrobras, a seu ver, são compatíveis com a condição de secretário de estado, da mesma forma que as reuniões com os executivos das empresas. “O vínculo entre as doações e os atos de ofício não parecem amparados por outros elementos além dos depoimentos”, assinalou. “A falta de provas de corrupção passiva também afasta a imputação de lavagem de dinheiro”.

O voto do ministro Gilmar Mendes, pelo não recebimento da denúncia contra o senador e pela remessa dos autos quanto aos demais acusados às instâncias ordinárias, foi seguido pelo ministro Dias Toffoli. Para Toffoli, os indícios são de que o esquema seria coordenado pelo ex-governador Eduardo Campos, e não por Fernando Bezerra. “Na ausência da pessoa física e natural que faleceu, procurou-se trazer elementos colhidos e apontar outra pessoa pelos atos imputados”, afirmou.

Empate

Diante do empate, a Turma, por maioria, decidiu, com base no parágrafo 1º do artigo 150 do Regimento Interno do STF, adiar a decisão até a tomada do voto do quinto integrante do colegiado, ministro Ricardo Lewandowski. Neste ponto, ficou vencido o ministro Gilmar Mendes ao entender que, na discussão sobre o recebimento da denúncia, o empate deve favorecer o réu (in dubio pro reo).

Ascom STF