Arquivo - 30 de Setembro de 2017

1
Preço da gasolina sobe pela 7ª vez consecutiva
2
Condenado na Lava Jato, Lula lidera intenções de voto para 2018
3
Semana da Pessoa Idosa será aberta neste domingo com eventos no Parque Josepha Coelho
4
Governo Temer abandona programa de envio de livros literários a escolas
5
Sindicato de empregados dos Correios mantém greve e convoca ato
6
Empresas privadas já detêm 60% da geração de energia do Brasil

Preço da gasolina sobe pela 7ª vez consecutiva

Preço da gasolina sobe pela 7ª vez consecutiva

preço cobrado ao consumidor pelo litro de gasolina voltou a subir nesta semana, segundo informações divulgadas pela Agência Nacional do Petróleo nesta sexta-feira (29). Esta foi a sétima vez seguida que o preço do combustível registrou alta neste ano.

De acordo com os dados que o “G1” teve acesso, o valor médio por litro passou de R$ 3,879 para R$ 3,884, um aumento de 0,12%. Por outro lado, a Petrobras reduziu os preços em 1,45% nas refinarias nesta semana, mas o repasse fica a critério dos postos.

O preço do diesel também subiu nesta semana. A alta foi de 0,75%, de R$ 3,177 por litro, em média, para R$ 3,201. O valor do combustível foi reajustado nas refinarias em 2,21%. A alta do etanol foi de 0,49%, saindo de R$ 2,624 por litro para R$ 2,637.

@língua

 

Condenado na Lava Jato, Lula lidera intenções de voto para 2018

Condenado na Lava Jato, Lula lidera intenções de voto para 2018

Mesmo após condenação na Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se mantém na liderança da corrida presidencial de 2018. Segundo pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (30), o petista tem pelo menos 35% das intenções de voto nos cenários testados e garante, assim, uma vantagem significativa em relação os seus principais adversários.

De acordo com o levantamento publicado na “Folha de S. Paulo”, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) estão empatados em segundo lugar. Na simulação de cada um dos candidatos contra Lula, Bolsonaro oscila entre 16% e 17% e Marina entre 13% e 14%.

Já os tucanos Geraldo Alckmin e João Doria apresentam desempenho equivalente na disputa com Lula, Bolsonaro e Marina. Ambos têm 8% das intenções de voto.

Nas simulações de segundo turno, o ex-presidente, pela primeira, vence todos os adversários. Porém, se o juiz Sergio Moro concorrer (possibilidade que ele descarta), teríamos um empate técnico.

@língua

 

Semana da Pessoa Idosa será aberta neste domingo com eventos no Parque Josepha Coelho

Resultado de imagem para semana da pessoa idosa

Será aberta oficialmente no próximo domingo (1) a Semana da Pessoa Idosa, que oferecerá diversas atividades aos idosos de Petrolina. As ações promovidas pela prefeitura começam às 9h, com uma caminhada no Parque Municipal Josepha Coelho que será animada pela banda marcial do 72º Batalhão de Infantaria Motorizado (72ºBIMtz). No local, o público também poderá conferir exposições de motos do grupo de Motociclistas do Vale do São Francisco e armas do Exército Brasileiro no Parque Municipal.

Os idosos também participarão na segunda-feira (2) de uma visita ao 72ºBIMtz onde acontece a formatura do Exército Amigo do Idoso. As ações seguem na terça (3) com a palestra ‘Conhecendo a doença de Alzheimer’ a partir das 9h no Centro Social Urbano (CSU) na Avenida Horonato Viana.

Já na quarta (4), a partir das 15h, haverá apresentação do projeto ‘Jovens concientizando jovens no enfrentamento à violência contra o idoso’ com palestra na Escola de Referência Clementino Coelho. A programação continua na quinta-feira (5), a partir das 9h, com uma mesa redonda no SEST/SENAT com tema: enfrentamento à violação contra a pessoa idosa, avanços e desafios.

Encerrando a semana da pessoa idosa, será realizada na sexta-feira (6) palestras de orientação sobre ‘quedas e fraturas’; ‘memória do idoso’ e ‘alimentação saudável’ a partir das 9h na Fundação Neurocárdio, localizada na Rua 22 do bairro Alto da Boa Vista.

Todas as ações são em alusão ao Dia Nacional da Pessoa Idosa, celebrado no dia 1º de outubro. As mobilizações são realizadas através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Secretaria Executiva da Pessoa Idosa, e o Conselho Municipal da Pessoa Idosa que firmaram parceria com o 72º Batalhão de Infantaria Motorizado, tornando a instituição ‘Amiga da Pessoa idosa’. Com a parceria, o exército fará parte da programação com música e exposição.

@língua

Com informações da AsCom

Governo Temer abandona programa de envio de livros literários a escolas

Governo Temer abandona programa de envio de livros literários a escolas

No ano seguinte, foi suspenso pela gestão petista sob justificativa de falta de recursos, com a promessa de retomada em 2016.

Em maio, Temer assumiu e, desde então, nenhum novo edital foi aberto.

Houve uma compra de livros literários no ano passado, mas no âmbito de um programa de alfabetização, voltado a crianças mais novas, fruto de edital da gestão anterior.

Foram 19,9 milhões de exemplares, mais do que os 3,9 milhões de 2015, quando Dilma suspendeu o PNBE, porém 37% menos do que os 31,1 milhões de exemplares de 2014.A editoras e autores, o ministério vinha afirmando que o envio de obras literárias a bibliotecas voltaria a ocorrer de forma regular.

À Folha, no ano passado, a pasta afirmou que haveria compra em dezembro de 2016.

A aquisição não ocorreu, mas, no final de junho deste ano, a gestão Temer mudou seu posicionamento, como mostra um documento disponível no site do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), que responde a dúvidas sobre o edital de livros didáticos.

À questão sobre a exclusão de literatura, a pasta responde: “O edital em questão não alcança obras de literatura. Não há previsão oficial para novo edital cujo objeto sejam obras de literatura.”

Em nova manifestação enviada nesta sexta-feira (29), o Ministério da Educação afirma que o PNBE foi incorporado ao programa do livro didático e que “novo edital para aquisição das obras literárias está em elaboração com previsão para 2018”.

O abandono do programa de literatura para bibliotecas provocou uma saia justa no final de agosto, durante a Bienal do Livro do Rio.

“Chamaram a gente para um encontro com o ministro. Achávamos que era para o anúncio do edital, mas era só para comemorar os 80 anos do programas de livros didáticos”, lembra Luís Antonio Torelli, diretor da Câmara Brasileira do Livro (CBL).

O ministro não escapou, porém, de ouvir uma cobrança da escritora Ana Maria Machado.

“Eu, muitas vezes, me preocupo que, em um momento de contenção de despesas, a literatura vá perdendo esse espaço que foi conquistado pelo seu próprio mérito”, disse a escritora, segundo relato do site especializado PublishNews.

“Nós precisamos ter professores que leiam e que possam escolher bem os livros que vão usar em sala de aula. Tivemos exemplos de programas excelentes que foram interrompidos, como o PNBE, um programa muito bem concebido e que ajudou muito a aumentar os índices de leitura no Brasil.

Segundo Torelli, já há editoras que fecharam por causa da suspensão do programa. Mas o maior prejudicado é o aluno, afirma. “É uma situação muito ruim, porque desatualiza as bibliotecas para quem gosta de frequentar e gera desinteresse de quem já não frequenta.”

Em escolas particulares, o contato com a literatura é estimulado desde a primeira infância. Segundo Katia Arilha Fiorentino Nanci, coordenadora de língua portuguesa da escola Lourenço Castanho, em SP, as atividades são importantes para desenvolver a não só a leitura, mas também capacidade imaginativa da criança, o que depois irá ajudar até em disciplinas como ciências –que pedem que o aluno saiba, por exemplo, formular hipóteses. “Quem lê bem a literatura lê bem todos os tipos de texto”, diz.

OUTRO LADO

Em nota, o Ministério da Educação afirmou que “o PNBE deixou de ser executado em 2014, ainda no governo Dilma. A atual gestão, que assumiu em maio de 2016, fez aquisição de obras literárias às salas de aula por meio do Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), no segundo semestre de 2016. A distribuição ocorreu este ano, com um total aproximado de 19,9 milhões de obras.”

Ainda este ano, diz o texto, a atual gestão encaminhou decreto que incorporou as ações do PNBE ao Programa Nacional do Livro e do Material Didático. Segundo a pasta, novo edital para compra de obras literárias está previsto para o ano que vem.

Procurada, a gestão do ex-ministro Aloizio Mercadante, do governo Dilma, afirmou que o PNBE foi contingenciado em 2015 por causa do ajuste fiscal.

“Em 2016, a Câmara dos Deputados, influenciada exclusivamente pela articulação golpista, bloqueou o orçamento, não votou a alteração do déficit fiscal e, de forma inédita, não instalou nenhuma das comissões na referida casa legislativa, até aquele maio. A devolução de R$ 4,7 bilhões ao orçamento do Ministério da Educação só foi possível após o fim do bloqueio das atividades legislativas, o que só ocorreu depois do afastamento da presidenta Dilma Rousseff”, diz o texto.

@língua

Com informações da Folhapress.

Sindicato de empregados dos Correios mantém greve e convoca ato

Sindicato de empregados dos Correios mantém greve e convoca ato

Com 11 dias em greve, os funcionários dos Correios permanecem paralisados. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos do Distrito Federal e Região do Entorno (Sintect/DF), o movimento está mantido e a categoria deve se reunir na próxima terça-feira (3), às 8h, em frente ao edifício-sede dos Correios, em Brasília, para uma assembleia nacional de mobilização.

Na tarde de ontem (28) o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Emmanoel Pereira, considerou a paralisação abusiva, mas, para o sindicato, o ministro não determina o retorno ao trabalho e nem estipula multa para a federação dos trabalhadores ou para os sindicatos.

De outro lado, os Correios informaram que, neste final de semana, serão realizados novos mutirões para colocar em dia a carga de objetos postais. De acordo com a empresa, mais de 91 mil funcionários ainda estão trabalhando normalmente. O número corresponde a 84,1% do total de empregados, número igual ao estimando ontem (28).

Em todo o país, a rede de atendimento está aberta e todos os serviços, inclusive o Sedex e o PAC, continuam disponíveis. Apenas os serviços com hora marcada, como o Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária, estão suspensos.

A classe está em greve desde o dia 19 e luta pela manutenção do plano de saúde e todos os benefícios, contra o fechamento das agências e a retirada dos vigilantes, pelos correios públicos e de qualidade, concurso público e pela campanha salarial 2017/2018.

@língua

Com informações da Agência Brasil.

Empresas privadas já detêm 60% da geração de energia do Brasil

Empresas privadas já detêm 60% da geração de energia do Brasil

iniciativa privada já detém 60% da capacidade de geração de energia instalada no país, além de 39% da transmissão (que interliga o sistema) e 71% da distribuição (que entrega a energia ao consumidor final).

O levantamento é da Thymos Energia. O leilão de quatro usinas que pertenciam à Cemig, nesta quarta-feira (27), ampliou um pouco mais a presença do investidor privado na geração. Antes, sua fatia era de 59%.

Quando se olha a história do setor, esse avanço privado na geração simboliza novos tempos e indica que serão os estrangeiros os principais investidores daqui para frente. A privatização da área de energia ocorreu nas empresas de distribuição, a partir de 1997, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Na época, forte resistência política e de servidores públicos inviabilizaram a privatização das usinas de geração.

A expansão da geração na última década, porém, ocorreu com leilões à iniciativa privada. A maioria teve como vencedor grupos locais como Odebrecht e Camargo Corrêa, que acabaram investigadas na Operação Lava Jato.

“Os grupos nacionais com maior presença na geração são empreiteiras. Por isso nenhum brasileiro se apresentou no último leilão. A tendência é que os estrangeiros aumentem a participação no Brasil”, diz Ricardo Lima, consultor da área.

Dos 40% ainda em poder de empresas públicas, 35% são da Eletrobras, que o governo estuda como privatizar.

Com o leilão, a francesa Engie (antiga Tractebel) ampliou a liderança como a maior privada da área de geração. A Engie tem capital aberto na Bolsa brasileira e faturou R$ 7 bilhões em 2016.

O seu primeiro negócio no Brasil foi a compra da Gerasul, braço de geração da Eletrosul, em 1998. No leilão da semana passada, passou a deter 6,8% da geração.

“Adquirir as usinas é uma oportunidade para levantar mais capital, o que estudamos fazer via debêntures”, diz Gil Maranhão, diretor de estratégia da Engie.

No leilão de quarta, ainda levaram usinas a italiana Enel e a chinesa SPIC. A última tinha, até então, só dois parques eólicos na Paraíba.

Outras estrangeiras são destaque no país, como a Enel (antiga Endesa Brasil), que comprou a concessão da Celg-D, de Goiás, em 2016, e controla distribuidoras do Rio de Janeiro e Ceará. “Engie e Enel são empresas já enraizadas no Brasil”, diz Cláudio Sales, presidente do Instituto Acende.

@língua

Com informações da Folhapress.