Arquivo - 31 de Agosto de 2016

1
Aprovado o impeachment: Dilma perde o mandato, mas não perde os direitos de ocupar cargos públicos
2
População de Afrânio/PE sente gosto de traição
3
Senadores conspiram para tirar Dilma e matar a Lava Jato, afirma o The Guardian
4

Aprovado o impeachment: Dilma perde o mandato, mas não perde os direitos de ocupar cargos públicos

Por
61 a 20, o plenário do Senado acaba de decidir pelo impeachment de
Dilma Rousseff. Não houve abstenção. A posse de Temer ocorrerá ainda hoje
(31).
O
resultado foi comemorado com aplausos por aliados do presidente interino Michel
Temer, que cantaram o Hino Nacional. O resultado foi proclamado pelo presidente
do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que comandou o
julgamento do processo no Senado, iniciado na última quinta-feira (25). No entanto, ela não perdeu  os direitos de ocupar cargos públicos.
Fernando
Collor, primeiro presidente eleito por voto direto após a ditadura militar, foi
o primeiro chefe de governo brasileiro afastado do poder em um processo de impeachment,
em 1992. Com Dilma Rousseff, é a segunda vez que um presidente perde o
mandato no mesmo tipo de processo.
Dilma
fará uma declaração à imprensa. Senadores aliados da petista estão se dirigindo
ao Palácio da Alvorada para acompanhar o pronunciamento de Dilma
A
fase final de julgamento começou na última quinta-feira (25) e se arrastou até
hoje com a manifestação da própria representada, além da fala de senadores,
testemunhas e dos advogados das duas partes.
 Nesse último dia, o ministro Ricardo
Lewandowski leu um relatório resumido elencando provas e os principais
argumentos apresentados ao longo do processo pela acusação e defesa. Quatro
senadores escolhidos por cada um dos lados – Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e
Randolfe Rodrigues (Rede-AP), pela defesa, e Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Ana
Amélia (PP-RS), pela acusação – encaminharam a votação que ocorreu de forma
nominal, em painel eletrônico.
O
processo de impeachment começou a tramitar no início de dezembro de 2015,
quando o então presidente da Câmara dos Deputados e um dos maiores
adversários políticos de Dilma, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitou a peça
apresentada pelos advogados Miguel Reale Jr., Janaína Paschoal e Hélio Bicudo.
No
pedido, os três autores acusaram Dilma de ter cometido crime de
responsabilidade fiscal e elencaram fatos de anos anteriores, mas o processo
teve andamento apenas com as denúncias relativas a 2015. Na Câmara, a
admissibilidade do processo foi aprovada em abril e enviado ao Senado, onde foi
analisada por uma comissão especia, onde foi aprovado relatório do senador
Antonio Anastasia (PMDB-MG) a favor do afastamento definitivo da presidenta.

Entre
as acusações as quais Dilma foi julgada estavam a edição de três decretos de
crédito suplementares sem a autorização do Legislativo e em desacordo com a
meta fiscal que vigorava na época, e as operações que ficaram conhecidas como
pedaladas fiscais, que tratavam-se de atrasos no repasse de recursos do Tesouro
aos bancos públicos responsáveis pelo pagamento de benefícios sociais, como o
Plano Safra.

População de Afrânio/PE sente gosto de traição


Os candidatos afirmam não estar traindo seus eleitores ao trocar de cidade para
tentar um novo mandato em outro municipio.
Em busca de realizações pessoais,
muitos políticos deixam seus domicílios que sempre os elegeram, para tentar
novos ares e mais respaldo político em suas carreiras. Muitas vezes as cidades
por serem bem pequenas, não conseguem dar ao político a notoriedade  que eles tanto desejam. Partindo desse
raciocínio, muitos políticos elegem filhos, maridos,esposas ou parentes  e partem para uma nova missão particular.
 É
o caso de Adalberto Cavalcanti, candidato a prefeitura de Petrolina. O politico foi prefeito da pequena Afrânio em Pernambuco  e agora seu sonho é Governar a “Terra dos Impossíveis”, apelido dado à  Petrolina /PE ,  a maior cidade do Vale do São Francisco, e que fica a 150 km de Afrânio. 
Em todas as suas entrevistas o politico nunca negou , ser o  seu  sonho, governar o muncipio. Adalberto sempre foi cheio  de amores pela cidade.

“Ser prefeito de Petrolina  é um  sonho antigo que carrego comigo. É mais um
degrau na vida pública”, declarou Adalberto Cavalcanti.

Mas, como fica a população que foi excluída
dos planos do tal político? Como a população da pequena cidade se sente?
Traída? Esquecida? Trocada? Será que o tal político perguntou se a troca era
viável?
A jornalista Carla Pinheiro  conversando com Moradores  da localidade  obteve
alguns testemunhos. Confira:
“Eu não acho certo o político
começar  sua carreira na cidade e partir
para outra . Se ele quer ser deputado ou outro cargo tudo bem! Mas prefeito? De
outra cidade? Não tá certo!”, disse Soledade Cruz – Afraniense.
“Pra mim isso é traição! Não concordo! Como
pode? É como se dissesse que aqui não presta, é uma cidade ruim!” Maria Cecília
Cruz- Afraniense.
“ Me lembro como se fosse hoje, quando
vinham na minha casa, e diziam que aqui era o melhor lugar do mundo! E agora o
melhor lugar é na outra cidade? Não acho certo!” , disse  Carlos Silva-Afraniense.

Visita a eleitores e exemplo a ser seguido
Um caso interessante aconteceu com a prefeita de Joca Marques (PI), Janainna
Marques (PFL), 27,  que por conta de
força maior, transferiu seu domicilio para Luzilândia, município do qual Joca
Marques foi desmembrado em 1996.
A prefeita disse que fez uma reunião com  a maioria dos 5.000 moradores  de Joca Marques e que eles autorizaram sua
transferência.
 “Eles diziam que, se eu não podia mais
ficar aqui, concordavam com a mudança.”, afirmou a prefeita.

Por Carla Pinheiro e Carlos Ferreira

Senadores conspiram para tirar Dilma e matar a Lava Jato, afirma o The Guardian

Os jornais mais
importantes do mundo, já definem o processo de impeachment contra a presidente
Dilma Rousseff,como o maior  “golpe”
de  todos .
A imprensa internacional,
trata o afastamento de Dilma como castigo  desproporcional”. O inglês The Guardian afirma
que “Senadores conspiram para tirar Dilma e matar a Lava Jato”. Na
mesma linha de raciocínio, o americano The Washington Post diz que  “Se uniram pela retirada de Dilma sabendo
que seria injusto”.

Os veículos internacionais de imprensa,   já fizeram  diferentes revelações trazendo à baila  que parte dos grandes jornais e canais
brasileiros  de televisão operam como
verdadeiros soldados a favor  do
afastamento de vez  da presidente Dilma
Roussef. Segundo os jornais pelo mundo a fora o  impeachment é injusto e um crime contra uma
pessoa honesta.

Por Cauby Fernandes