Arquivo - Julho 2016

1
25% Esse é o número que elegerá o novo prefeito de Petrolina
2
A Lei é para todos! Filho do Senador é condenado por propaganda irregular na internet
3
A política baixa já começou!
4
Miguel Coelho e Adalberto Cavalcanti: preparados para governar Petrolina?
5
A pretensão de Adalberto Cavalcanti
6
Duas convenções, duas realidades! Alegria e Timidez
7
Pesquisa interna do PSB apontava para Lucas Ramos
8
Vem chumbo grosso na Operação Turbulencia
9
A resposta
10
A escolha de Lóssio e a queixa do não escolhido.
11
Operação Turbulência completa um mês de muitas dúvidas
12
” FBC é um adversário cujas ideias não colam com as minhas”, disse Osvaldo Coelho
13
PMDB de Petrolina prepara Convenção Municipal
14
Alguém avisou a ele? Petrolina não é Afrânio!
15
A tribuna do PSB, os pobres e a gestão de Lossio que deu certo
16
Cálculo do quociente eleitoral como funciona?

25% Esse é o número que elegerá o novo prefeito de Petrolina

Convenções realizadas, partidos alinhados e coligações ajustadas.
Agora chegou a hora da verdade.
O país inteiro se prepara para viver as
eleições mais vigiadas de todos os tempos. Juízes, Promotores, Advogados e
contadores estão envolvidos em um processo que promete ser de muita
controvérsia devido à nova Legislação Eleitoral que diz e desdiz ao mesmo
tempo.
 Em Petrolina Cinco coligações
apresentaram seus candidatos e vice-candidatos para uma eleição atípica onde todos
têm o mesmo potencial e nenhum pode ser considerado favorito. Foi-se  o
tempo onde um nome de família tradicional falava mais alto e  fazia os
petrolinenses tremerem em suas decisões. 
No que pesa ao novo eleitor, o que vai
realmente fazer a diferença será a proposta trazida pelos que querem se tornar
o novo gestor da cidade que mais cresce em Pernambuco.
Por não existir favoritos, e apenas 45
dias para fazer conhecido o projeto e plano de governo, os candidatos
precisarão fazer malabarismo para alcançar os eleitores.
Anote esse número percentual: 25%. Esse
será o percentual que elegerá o novo prefeito de Petrolina. Muitas pesquisas aparecerão
ao longo da caminhada, mas quem realmente obtiver o percentual de 25% será o
novo prefeito.
Petrolina nunca esteve tão dividida como
nesse pleito eleitoral. As convenções partidárias provaram que ninguém vem ou
está para brincadeiras, Nesse eleição o amadorismo não será bem vindo e vale
ressaltar que lugar de amador não é dentro de uma campanha como essa que se
projetou.
  
 Os candidatos ao cargo de vereador
foram os mais prejudicados com a nova Legislação, pois perderam a oportunidade
de falar aos eleitores os seus projetos em canal de televisão   e assim
terão que rebolar para andar em busca dos seus eleitores.

Por Cauby Fernandes

A Lei é para todos! Filho do Senador é condenado por propaganda irregular na internet

Em
tempos de caça às bruxas, os candidatos tem que ficar atentos à legislação eleitoral.
Para não ser multados ou até perder direitos eleitorais, os  pré-candidatos precisam de uma equipe que os
avise para que não sejam pegos falando e  fazendo bobagens, quer seja na internet, ou
nas pequenas reuniões.
A
 equipe do pré candidato Miguel Coelho  e do PSB, 
anda desatenta  e  deixaram que  tanto o partido, como Miguel fossem condenados
a pagar uma multa no valor de R$ 5 mil por propaganda eleitoral antecipada na
internet. Ninguém  no País está livre das
sanções eleitorais, nem mesmo ele e sua equipe  que vem repetidamente postando imagens e
textos em sua página do face book, com o numero do seu partido. Para a Lei eleitoral não existe príncipes nem plebeus! Todos são iguais!. 
O
juiz da 144ª Zona Eleitoral da cidade, disse na sua sentença  que  a
conduta do pré-candidato, lhe dá um beneficio errado  e que sua legenda partidária divulga
ilicitamente.
Miguel
abusa do aceitável na divulgação do número de sua candidatura, colocando a capa
da impunidade, querendo enganar  a
legislação eleitoral. È preciso lembra que a legislação  permite que seja divulgada a  pré-campanha, mas impede a apresentação do
número do suposto  candidato como também
veda  o pedido de votos.

Por
Cauby Fernandes

A política baixa já começou!

Pra
quem gosta de política seria bom que assistisse a um filme chamado Especialista
em crise, que tem a atriz americana Sandra Bullock como protagonista, e você vai
entender o que é política baixa, e como os marqueteiros bolam suas estratégias a
partir da fraqueza do adversário.
Pois
bem, a campanha eleitoral em Petrolina já tomou forma e agora Salve-se quem
puder! Os podres, os erros (nunca acertos), aparecerão a partir de agora.
Essa
será a eleição da tecnologia, Whatsapp, Face book, Twiter e a internet como um
todo será usada de forma gritante. Petrolina tem uma turma bem animada quando o
assunto é tecnologia. Então conheça um pouco desse mundo e os perigos que ele
pode representar.
Hacker: Individuo com amplo conhecimento em
informática, que faz uso desse conhecimento para encontrar falhas e medidas de
correção para essas falhas. Normalmente um Hacker atua na área de Segurança da
Informação sendo um consultor de segurança ou prestando serviço para uma
empresa do ramo.
Cracker: Como os Hackers, os Crackers também possuem um conhecimento avançado em
informática, porem as suas atitudes são diferentes, os Crackers usam o seu
conhecimento apenas para beneficio próprio ou destruição, ao invés de
desenvolver medidas de correção para uma vulnerabilidade, os Crackers criam
códigos para explorar essa vulnerabilidade e conseguir destruir o sistema alvo,
ou conseguir algo de valor como informações pessoais, informações bancárias,
senhas, etc.
Carder: O nome Carder é dado para a pessoa que utiliza informações bancárias
como números de cartões de crédito, cartões de conta corrente ou poupança, ou
contas em sites de movimentações bancárias, para beneficio próprio como comprar
produtos, fazer transferência para contas de laranjas entre outros atos
ilícitos. Uma coisa bem interessante que tem na Internet para download são
geradores de cartões de crédito, alguns são até verdade, mas a maioria são
arquivos maliciosos que podem prejudicar o seu computador.
Defacer: O
Defacer é o individuo que utiliza a tecnica Deface para pichar sites, eles
exploram vulnerabilidades através de técnicas para conseguir acesso
administrativo a um site para alterar a página inicial do mesmo, por uma que
ele (invasor) criou. Normalmente a página criada pelo invasor serve como um
meio ilícito de protesto contra o site ou ideologia do site, e é claro nessa
mesma página tem uma frase de vitória seguida do nickename do invasor. A maior parte das
vulnerabilidades em sites da Internet são SQL e PHP Injection.
Phreaker: O Phreaker é o Hacker da telefonia móvel e fixa. Os
Phreakers utilizam técnicas para burlar os sistemas de segurança das companhias
telefônicas, normalmente para fazer ligações de graça ou conseguir créditos.
Eita
mundo complicado! Mas fará  toda a
diferença nessa eleição.
Por
Cauby Fernandes

Miguel Coelho e Adalberto Cavalcanti: preparados para governar Petrolina?

A aproximadamente 20 dias para o pontapé inicial das campanhas eleitorais em todo o Brasil, vemos em Petrolina um cenário ainda bastante indefinido. As já consolidadas candidaturas de Edinaldo Lima (PMDB), Odacy Amorim (PT), Adalberto Cavalcanti (PTB) e Miguel Coelho (PSB) nos indicam a aproximação de um período turbulento, nesta que tem tudo para ser uma das mais disputadas eleições da história política de nossa cidade.

Nenhum dos candidatos citados acima fará sua estreia neste pleito. Todos já participaram de forma direta em eleições anteriores.

Porém, a pergunta que realmente instiga o eleitor petrolinense é: ter somente participado e vencido eleições no passado já qualificam um candidato para o desafio de governar uma cidade como Petrolina? E a resposta é não.
Os dois primeiros podem ser considerados candidatos naturais a sucessão municipal.

Não é de hoje que Odacy e Edinaldo prestam serviços políticos à população, e por esta razão são nomes de mérito inquestionável. Por outro lado, é importante analisar de forma cuidadosa os casos dos deputados Adalberto Cavalcanti e Miguel Coelho.

Adalberto tem um nome conhecido em todo o sertão. Sua família está a frente do poder em Afrânio a muitos anos, tendo ele inclusive sido o prefeito de tal cidade. Sua forma de fazer política, no entanto, deixa vestígios negativos onde quer que passe. Fugir de debates, tratar opositores e eleitores com arrogância e até trair aliados políticos em circunstâncias específicas são só alguns dos graves “pecados” cometidos por ele em todo o seu trajeto político, e isso nos mostra que ter um nome conhecido não significa necessariamente ter um nome aprovado.

Miguel, por outro lado, é tão novo no meio político que fica até difícil apontar adjetivos, sejam eles positivos ou negativos, sobre sua recente e imberbe história pública.

A única pista que temos sobre sua súbita candidatura é que, seu pai, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), parece estar mesmo disposto a ter QUALQUER um de seus filhos como prefeito. Em 2012 falhou ao tentar eleger o hoje Ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), em um cenário político semelhante. Um sério agravante para o plano de eleger sua segunda cria, tendo falhado com a primeira, é que desta vez o senador tem em seu encalço a Polícia Federal, já que é investigado tanto na Operação Lava Jato quanto na Operação Turbulência.

As candidaturas de Miguel e Adalberto são, de fato, legítimas. A maior prova disso é que ambos os candidatos possuem apoio de uma parcela já comprovada da população. No entanto, o desafio dos mesmos nestas eleições vai ser o de mostrar a toda Petrolina que suas propostas para a cidade giram em torno de um futuro melhor, e não da corriqueira e egoísta perpetuação do poder.(Petrolina em Foco)

 Publicado no Blog de Daniel Campos

A pretensão de Adalberto Cavalcanti


A Convenção Partidária do PTB,  foi decepcionante! Quando no último sábado
(23), foi anunciada a candidatura a prefeito de Petrolina.
Como era de se esperar  Adalberto Cavalcante, mas uma vez  soltou um dos seus impropérios destacando  em seu discurso que é o responsável pela união
da família Coelho. Segundo o falaciano Adalberto, os políticos da família se uniram
por perceber que o nome dele é o mais 
forte  na concorrente  eleições 2016.
O blogueiro Edenevaldo Alves  foi assertivo quando postou a frase  de Adalberto Cavalcanti  que disse:

Quanta pretensão!
Por Cauby Fernandes

Duas convenções, duas realidades! Alegria e Timidez

                                   E agora? como fica?

O final de semana ficou marcado com a largada para as eleições municipais
em Petrolina. No sábado (23)  aconteceu a convenção que oficializou a
união do PMDB, PSL, PPS e PHS para compor a coligação “Pra continuar
avançando”. O evento lançou, oficialmente, as candidaturas dos peemedebistas
Edinaldo Lima e Newton Matsumoto para concorrer aos cargos de prefeito e
vice-prefeito de Petrolina nas eleições de outubro.

Já no Centro Cultural Dom Bosco o Partido Trabalhista Brasileiro
(PTB) oficializou os nomes de Adalberto Cavalcanti e Anatélia Porto, como
candidatos aos cargos de prefeito e vice-prefeito.
Na convenção Peemedebista o prefeito de Petrolina, Julio Lossio, foi o
anfitrião da festa que reuniu milhares de pessoas que lotaram o pátio de feiras
do Centro de Convenções. Com direito a homenagem ao falecido deputado Osvaldo
Coelho, o PMDB conseguiu fazer jus ao nome do partido e realizou grandioso
evento na cidade.
Do outro lado com o PTB, os números destoaram do barulho que Adalberto
vinha fazendo, quando nas últimas semanas dizia ser o melhor para Petrolina. O
partido não conseguiu sair da casa das centenas de pessoas e fez uma convenção
muito tímida decepcionando seus eleitores.
Agora vamos esperar as outras convenções e faremos um ajuste para ver
como vai se comportar cada partido em suas campanhas. As convenções constituem
o ponto de partida, pontapé inicial que demonstra a força de cada coligação.
Esperemos.
 Por Cauby Fernandes

Pesquisa interna do PSB apontava para Lucas Ramos

Pesquisas internas do PSB,
indicavam que o melhor nome para concorrer a eleição em Petrolina, era do
deputado estadual Lucas Ramos. 
Depois de meses brigando para ser o escolhido,
só agora  a cidade de Petrolina entende
as razões pelas quais Lucas Ramos fazia  tanta questão por sua candidatura. O blog@ Língua obteve informações de dentro do partido que relatam essa versão.

 O grande problema, e talvez a
maior barreira fosse o peso do Clâ dos  Coelhos
dentro do partido, que faz questão de querer 
perpetuar o nome da família nos anais da cidade de Petrolina. Verdade é,
que depois de três décadas até o deputado Federal Guilherme Coelho, resolveu
fazer as pazes com Fernando Bezerra, com quem jurava nunca conversar sobre política.

Lucas Ramos tem toda a razão de
estar chateado, por que nem mesmo o Governador Paulo Câmara respeitou a opinião
pública em pesquisa não oficializada, que apontava Lucas como único candidato
do partido a bater de frente com o forte candidato do prefeito Julio Lossio
Edinaldo Lima.

“Edinaldo foi secretário nos dois governos de Lóssio e retornou à Câmara para
atender ao prazo de desincompatibilização e ter sua candidatura regularizada.
Ele é da extrema confiança de prefeito”, afirmou Lucas Ramos.
Ele ainda completou dizendo: “O
bloco formado por mim e por Gonzaga seguirá junto, e partiremos para a
dissidência”, comentou.

Por Cauby Fernandes

Vem chumbo grosso na Operação Turbulencia

A promotora
Rosângela Padela, da Vara Criminal de Olinda, foi a escolhida pelo Ministério
Público de Pernambuco para acompanhar as investigações sobre a morte de Paulo
César de Barros Morato. A morte do empresário está cercada de mistérios. Ele
foi apontado como parte integrante de uma quadrilha de empresários que
movimentou 600 milhões em recursos ilícitos da Refinaria Abreu e Lima e da
Transposição do Rio São Francisco.
Morato
foi encontrado morto no dia 22 de junho na periferia da cidade dentro de um
motel. Um mês depois, as investigações ainda não foram concluídas na Polícia
Civil. “Estamos aguardando o inquérito policial”, disse a promotora.
O procurador
geral do MP/PE, Carlos Guerra de Holanda, é o responsável pela indicação da
promotora. A decisão e escolha se deu por conta de questionamentos levantados  por diversos procuradores na região do Colégio
de Procuradores sob a suspeita que  houve “assassinato” no caso. Morato foi acusado
pela Policia Federal  de ser “testa de
ferro” do esquema de de pagamento de propinas para políticos, entre os quais está  o
ex-governador Eduardo Campos, que morreu em acidente de avião em Santos.

Por
Carla Pinheiro e Cauby Fernandes

A resposta

A escolha de Lóssio e a queixa do não escolhido.

Em uma sucessão municipal, estadual ou federal, os parâmetros
para escolha de um nome devem ser criteriosos, e devem sair do patamar do “Eu
quero esse”.
O líder que escolhe seu pupilo, no mínimo deve ouvir seus
conselheiros que olham por outro prisma as questões do dia a dia.
Em recente encontro com seu STAFF, Julio Lossio tratou do
assunto com um tom de alegria quando da escolha de Edinaldo Lima para sucessão municipal.
Os nomes que o prefeito chamou para a escolha foram Lucia Giesta, Edinaldo  Lima, Orlando Tolentino, Heitor Leite,Julio
Lóssio (Tio Julinho),Nilton Matsumoto e Célia Regina.
Esses, segundo Lossio, concordaram em apoiar o plano político qualquer
que fosse o escolhido.
Pois bem, Edinaldo foi o escolhido, e depois da escolha,
dois dos aliados se rebelaram contra a decisão e saíram disparando contra o prefeito
e seu governo.
 Lossio disse: “Um dos que não foi o escolhido falou que eu não
soube conduzir o processo. Eu disse: Pra você então fazer a escolha é impor, e
dizer é esse? Se assim fosse eu escolheria Tio Julinho que é meu parente! Mas
não sou coronel, nem tampouco faço escolhas por que é meu parente”, finalizou.
Em uma sucessão municipal, estadual ou federal, os parâmetros
para escolha de um nome devem ser criteriosos, e devem sair do patamar do “Eu
quero esse”.
Por Cauby Fernandes e Carlos Ferreira Xavier

Operação Turbulência completa um mês de muitas dúvidas

Na Operação
Turbulência, Pernambuco é o centro das investigações. A operação que foi  deflagrada pela Polícia Federal para
desarticular um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro, completa  um mês, e as dúvidas permanecem no ar. Tudo
começou com um  questionamento sobre a
compra do jatinho para a campanha do ex-governador Eduardo Campos
(PSB). O governador morreu, vítima de acidente aéreo há dois anos.  Está sendo investigado o movimento de R$ 600
milhões, em recursos ilícitos da Refinaria Abreu e Lima e da Transposição do
Rio São Francisco. Nesses 30 dias, as  perguntas respondidas tem um tom esquálido e o
saldo das investigações é de um empresário encontrado morto em um motel em
Olinda, em circunstâncias misteriosas e mais quatro empresários presos.
A Polícia Federal mantém  silêncio sobre a investigação. No  esquema foi divulgado que existem três líderes
entre os presos, mas  a PF não confirmou os
nomes.O caso se mistura  com a Operação
Lava Jato. A operação  revelou  que os responsáveis eram Eduardo Freire
Bezerra Leite, Lyra de Mello Filho, Apolo Santana Vieira e João Carlos. Porém
ninguém sabe que  papel  cada um assumia  dentro da organização.
A grande  polêmica é
que  a Polícia Civil está  conduzindo as investigações. O deputado
estadual Edilson Silva (PSOL) chegou a pedir ao procurador-geral da República,
Rodrigo Janot, solicite ao Supremo Tribunal Federal (STF) que a PF assuma o
caso. O argumento é de que a operação envolve políticos do PSB, partido cujo
vice-presidente é o governador Paulo Câmara, que controla a secretaria. A
Polícia Federal mantém uma equipe acompanhando o inquérito presidido pela
delegada Gleide Ângelo e afirma que só toma a frente da apuração se for provado
que a morte está ligada à Turbulência. Não há previsão para a conclusão da investigação.

” FBC é um adversário cujas ideias não colam com as minhas”, disse Osvaldo Coelho

Em
uma das suas últimas entrevistas  concedidas a jornalistas de Petrolina, o Dr.Osvaldo
Coelho foi enfático quanto a uma possível aliança com Fernando Bezerra. Sóbrio
como sempre, o saudoso deputado,  querido
por  Petrolina, sempre zelou pela coerência
nas suas escolhas. O Blog @ Língua posta agora essa entrevista concedida à jornalista
Mônia Ramos, que reproduziu com fidelidade as palavras ditas naquele momento por
Dr. Osvaldo Coelho a respeito de Fernando Bezerra e seu grupo.
Por Mônia Ramos , Postado em 30 de julho de 2014,
no Blog da Jornalista Josélia Maria.
Acompanhem:
O
recuo de Osvaldo Coelho. Após levantar a possibilidade de seguir com Fernando
Bezerra Coelho  (PSB), o ex-deputado volta atrás e recua de apoiar a
candidatura do socialista ao Senado.
Segundo
ele, suas palavras ficaram ao vento e por este motivo refletiu melhor sobre o
posicionamento político. “Política é igual a pingue-pongue hoje você diz uma
coisa e espera outra, eu na realidade pertenço a um partido político DEM que
apóia a candidatura da Frente Popular, é normal que eu me debruçasse nessa
possibilidade, continuo debruçado na possibilidade de apoio ao palanque da
Frente, mas de Fernando não tive se quer uma conversa. Minhas palavras ficaram
ao vento não valeram nada e por isso estou refletindo melhor meu
posicionamento”, disse.
Osvaldo
ainda frisou: “FBC é um adversário cujas ideias não colam com as
minhas, o meu partido quer, mas eu tenho essas barreiras”. Ele disse que seu apoio a Frente Popular naturalmente
declinava  a Fernando, já que é candidato da chapa, mas declarou que pela
primeira vez está “num beco sem saída”.
Osvaldo
Coelho disse que suas ideias sobre a importância da irrigação se divergem com
as de FBC. “De um lado tem Dilma Rousseff que eu não quero e
do outro tem FBC cujas ideias não colam com as minhas, eu tenho dificuldades
com ele. Irrigação não é canal não, é o que ele traz: trabalho, é emprego.
Penso nessa matriz e quando tem um adversário político que pensa que irrigação
é pedra e  cal, então eu tenho dificuldade enorme”.
Ele
ainda disse: “Ninguém vem de lá pra cá pra dizer que nossa
bandeira será agasalhada”, critica a inobservância de suas propostas sobre
irrigação.
Durante
entrevista, Osvaldo Coelho declarou que está estagnado. “Continuo debruçado na possibilidade de apoio ao palanque a Frente, mas
de Fernando não tive se quer uma conversa. Me encontro numa dificuldade muito
grande, primeiro de dá qualquer apoio a Dilma,
pra mim não é bom, e segundo é esse encontro com o desencontro”, pontuou.
Enfim
,  Petrolina agora está num dilema. A
aliança de Guilherme Coelho com o grupo de FBC destoa totalmente das ideias do
homem que mais lutou pela irrigação no Brasil… E agora como fica aquele que sempre amou as ideias de um homem sábio?
Por
Blog @lingua
Com
Colaboração de Cauby Fernandes, Carla Pinheiro e Carlos Ferreira

PMDB de Petrolina prepara Convenção Municipal

Sábado
23 de Julho  é o dia marcado para a
convenção partidária do Partido do Movimento Democrático Brasileiro-PMDB em
Petrolina.Considerado
 o ponto de partida para a campanha
eleitoral que pretende  eleger  o prefeito, vice-prefeito e candidatos ao
cargo de  vereadores de Petrolina. A
convenção acontece a partir das 17 h no Pavilhão de Eventos do Centro  de Convenções.

Foram
convocados para o ato membros titulares e suplentes do Diretório municipal, os
Parlamentares do Partido com domicílio eleitoral em Petrolina – PE e os membros
do Diretório Estadual com domicílio eleitoral em Petrolina, além de
correligionários e simpatizantes à luta do partido.
Durante
a convenção serão oficializados nomes de pré-candidatos que pleiteiam vagas no
executivo e legislativo municipal. O momento será também de apresentação de
propostas de governo e alinhamento político entre os correligionários e
candidatos.O
partido promete fazer uma grande festa, para que o inicio da campanha dos Peemedebistas
seja um momento marcante.
Por blog@ lingua

Alguém avisou a ele? Petrolina não é Afrânio!

 
Não foi por falta de aviso. Muitos amigos,
correligionários e acreditamos que até mesmo os de casa, chegaram e disseram…
Adalberto, Petrolina não é Afrânio! Lá  é
outra realidade!.
O deputado sentiu  ultimamente
que essa conversa é verdade, quando recebeu um “não”  vindo da parte do pré –candidato a
vereador  César Durando, que disse que
prefere concorrer a uma vaga na Casa Plínio Amorim, do que compor uma chapa com
o polemico deputado.
O blog @Língua, tinha publicado matéria falando que
Adalberto já tinha feito o convite também a  ex-vereadora Anatélia Borges, de quem também
ouviu um  não maiúsculo.
O deputado anda meio desesperado à
procura  de um vice para acabar essa
solidão, no entanto só respostas negativas tem chegado aos ouvidos do avisado
deputado. Ele, no entanto faz ouvido de mercador, e segue na sua jornada à
procura de um vice para sua chapa.
Por Blog@Língua

Com Colaboração de Carla  Pinheiro

A tribuna do PSB, os pobres e a gestão de Lossio que deu certo

Duas coisas inusitadas estão
acontecendo na campanha de Miguel Coelho. Orientado pelos seus marqueteiros, o pré-candidato
foi obrigado a mudar o discurso duro que vinha fazendo nos últimos dias em
relação ao Governo Lossio.
Agora, com tom mais suave Miguel tece
elogios, mesmo que discretos para a gestão do atual prefeito que, como todos
sabem é  ferrenho adversário do grupo de
FBC.
 Em recente reunião no Jardim Amazonas Miguel
Coelho disse: “ O programa Nova Semente deu certo em Petrolina! Eu reconheço
isso,mesmo sendo oposição.Reconheço que a gestão fez e executa um bom projeto”,afirmou.
Mas o que mais chama a atenção nas pequenas
reuniões do PSB, é a plataforma que eles tem usado. Trata-se de uma tribuna. Na antiguidade a  tribuna era uma sacada que se abria do segundo piso para o interior da nave de grandes salões  e servia para que personalidades ilustres
assistissem a espetáculos ou discursassem sem entrar em contato com os pobres.
Mais uma vez o PSB peca nas suas
estratégias  e mostra que de verdade não
entende de povo, de plebe. O povo quer o contato verdadeiro, sem tribunas que
os rebaixem,  e os façam  se sentir pequenos.
Por Blog @ Língua

Por Cauby Fernandes e Carlos Ferreira

Cálculo do quociente eleitoral como funciona?

Saiba como é realizado o cálculo do quociente eleitoral para
distribuição de cadeiras pelo sistema de representação proporcional.
Exemplo: Divisão de 17 cadeiras em um município onde votaram 50.037 eleitores.
1ª operação
Determinar o nº de votos válidos, deduzindo do comparecimento os votos
nulos e os em branco (art. 106, § único do Código Eleitoral e art. 5º da Lei nº
9504 de 30/09/97).
Comparecimento (50.037) – votos em
branco (883) – votos nulos (2.832) = votos válidos (46.322)
2ª operação
Determinar o quociente eleitoral, dividindo-se os votos válidos pelos
lugares a preencher (art. 106 do Código Eleitoral). Despreza-se a fração, se
igual ou inferior a 0,5, arredondando-a para 1 se superior.
Votos válidos (46.322) ÷ número de
cadeiras (17) = 2.724,8 = quociente eleitoral ( 2.725)
3ª operação
Determinar os quocientes partidários, dividindo-se a votação de cada
partido (votos nominais + legenda) pelo quociente eleitoral (art. 107 do Código
Eleitoral). Despreza-se a fração, qualquer que seja.
Cálculo
do quociente partidário
Partidos
Votação
Quociente eleitoral
Quociente partidário
A
15.992
÷ 2.725
= 5,8
= 5
B
12.811
÷ 2.725
= 4,7
= 4
C
7.025
÷ 2.725
= 2,5
= 2
D
6.144
÷ 2.725
= 2,2
= 2
E
2.237
÷ 2.725
= 0,8
= 0*
F
2.113
÷ 2.725
= 0,7
= 0*
Total =
13
(sobram 4 vagas a distribuir)
* Os partidos E e F, que não alcançaram o quociente eleitoral, não
concorrem à distribuição de lugares (art. 109, § 2º, do Código Eleitoral).
4ª operação
Distribuição das sobras de lugares não preenchidos pelo quociente
partidário. Dividir a votação de cada partido pelo nº de lugares por ele
obtidos + 1 ( art. 109, nº I do Código Eleitoral). Ao partido que alcançar a
maior média, atribui-se a 1ª sobra.

sobra
Partidos
Votação
Lugares +1
Médias
A
15.992
÷ 6
(5+1)
2.665,3
(maior
média 1ª sobra)
B
12.811
÷ 5
(4+1)
2.562,2
C
7.025
÷ 3
(2+1)
2.341,6
D
6.144
÷ 3
(2+1)
2.048,0
5ª operação
Como há outra sobra, repete-se a divisão. Agora, o partido A, beneficiado com a 1ª sobra, já conta com 6 lugares, aumentando o
divisor para 7 (6+1) (art. 109, nº II, do Código Eleitoral).

sobra
Partidos
Votação
Lugares +1
Médias
A
15.992
÷ 7
(6+1)
=
2.284,5
(maior
média 2ª sobra)
B
12.811
÷ 5
(4+1)
=
2.562,2
C
7.025
÷ 3
(2+1)
=
2.341,6
D
6.144
÷ 3
(2+1)
=
2.048,0
6ª operação
Como há outra sobra, repete-se a divisão. Agora, o partido B, beneficiado com a 2ª sobra, já conta com 5 lugares, aumentando o
divisor para 6 (5+1) (art. 109, nº II, do Código Eleitoral).

sobra
Partidos
Votação
Lugares +1
Médias
A
15.992
÷ 7
(6+1)
=
2.284,5
(maior
média 3 ª sobra)
B
12.811
÷ 6
(5+1)
=
2.135,1
C
7.025
÷ 3
(2+1)
=
2.341,6
D
6.144
÷ 3
(2+1)
=
2.048,0
7ª operação
Como há outra sobra, repete-se a divisãoAgora, o partido C, beneficiado com a
3ª sobra, já conta com 3 lugares, aumentando o divisor para 4 (3+1) (art. 109,
nº II, do Código Eleitoral).

sobra
Partidos
Votação
Lugares +1
Médias
A
15.992
÷ 7
(6+1)
=
2.284,5
(maior
média 4 ª sobra)
B
12.811
÷ 6
(5+1)
=
2.135,1
C
7.025
÷ 4
(3+1)
=
1.756,2
D
6.144
÷ 3
(2+1)
=
2.048,0
A 7ª operação eliminou
a última sobra. Nos casos em que o número de sobras persistir, prosseguem-se os
cálculos até que todas as vagas sejam distribuídas.
Resumo
 Partidos
Número de cadeiras obtidas
pelo quociente partidário
pelas sobras
total
A
5
2
7
B
4
1
5
C
2
1
3
D
2
0
2
E e F
0
0
0
TOTAL
13
4
17

Por Blog @ Língua
*Com informações do Tribunal Regional Eleitoral de
Pernambuco